O Homem Baile

Crescidos

Melhor no palco, Phoenix assume bem o papel de headliner com o show mais concorrido do Popload Festival. Fotos: Fabrício Vianna/Divulgação Popload Festival.

O vocalista do Phoenix, Thomas Mars, no modo 'comportado', ainda na parte inicial do show do Popload

O vocalista do Phoenix, Thomas Mars, no modo 'comportado', ainda na parte inicial do show do Popload

A cada vez que o Phoenix sobe no palco, ao menos uma coisa é certa: na última música, o vocalista da banda, Thomas Mars, vai se jogar no meio do público. Foi assim em todas as vezes em que eles estiveram no Brasil, onde batem ponto desde 2007 (relembre o Planeta Terra de 2010), e onde Mars diz sempre encontrar o melhor público para a banda. Nesse feriado de 15 de novembro, no Popload Festival, em São Paulo, contudo parecia que seria diferente, porque ele decide antecipar o roteiro, e, ainda no meio do set, antes de “If I Ever Feel Better”, dá aquele mosh característico dos shows de metal/hardcore, passando a impressão para muita gente ali na plateia de que a apresentação seria abreviada àquele ponto. Qual nada.

Porque muita coisa já vinha acontecendo antes disso, com o quarteto fazendo jus à alcunha de um festival que teve – não é mole, não – PJ Harvey como grande destaque, e, por isso mesmo, foi o que reuniu a maior quantidade de público que girou em torno de 8 mil pessoas, segundo os organizadores. Um público, ao que parece, já bastante afeito ao indie rock para as pistas, por assim dizer, que marca o Phoenix, mesmo quando o grupo manda as músicas mais recentes, do álbum “Ti Amo”, que saiu em junho. Das 10 faixas, foram meia dúzia, sendo “J-Boy” a primeira delas, com a banda no escuro fazendo silhueta no telão – o maior da noite - todo vermelho, um efeito simples que seria repetido durante todo o show e que é bem compatível com o som deles, a tal mistura indie + eletrônico.

Thomas Mars canta o lado do tecladista Robin Coudert: banda melhor ao vivo do que em outros tempos

Thomas Mars canta o lado do tecladista Robin Coudert: banda melhor ao vivo do que em outros tempos

Outras da novas que chamam a atenção são “Lovelife”, que ao vivo cresce muito em relação à gravação de estúdio, incluindo a ênfase em uma tecladeira mezzo psicodélica, e a própria “Ti Amo”, cuja linha de baixo inicial já desencadeia um grande pula-pula no meio da plateia. É outra que cresce no palco, e essa parece ser a marca dessa fase do Phoenix, os músicos estão tocando bem melhor, com mais peso e entrosamento entre eles, fazendo músicas por vezes até simplórias, se converterem em cativantes peças a serviço das pistas. A produção de palco é interessante, com todos reunidos no centro, e o telão praticamente como principal fonte de iluminação o tempo todo. Dá pra melhorar se substituir as projeções do tipo papel de parede pelas imagens ao vivo da banda e/ou de arquivo.

Só um detalhe que, para a turba reunida na frente do palco - mais gente do lado esquerdo, na Pista Comum do que na Premium (a divisão no festival é na transversal) -, que se acaba como se estivessem em uma típica balada, como chamam os nativos, não faz e mínima diferença. E aí sobressaem hits manjadões como “Consolation Prizers”, com um quê de rock à Strokes; “Entertainment”, com uma bela introdução instrumental; e “Rome” – esse nem tanto -, que parece citar “Under Pressure”, de Queen + David Bowie, no início. Ah, e tem o final, quando a já citada “Ti Amo”, faixa-título do disco novo, reaparece como fundo musical instrumental para Mars – aí, sim – percorrer uma grande extensão da grade que divide o público em tom de agradecimento, do que ele chama de “melhor singing alone do planeta”. Valeu, Thomas!

Thomas Mars faz o que se espera dele no final do show: se manda para o meio do povão com o microfone

Thomas Mars faz o que se espera dele no final do show: se manda para o meio do povão com o microfone

Set list completo:

1- J-Boy
2- Lasso
3- Entertainment
4- Lisztomania
5- Trying to Be Cool
6- Lovelife
7- Tuttifrutti
8- Consolation Prizers
9- Girlfriend
10- Sunskrupt!
11- Ti Amo
12- Armistice
13- If I Ever Feel Better/Funky Squaredance
14- Rome
15- Telefono
16- Fior di Latte
17- 1901
18- Ti Amo Di Piu

Marcos Bragatto viajou a convite do TNT Energy Drink.

Veja também: PJ Harvey no Teatro Bourbon

Tags desse texto: ,

Comentários enviados

Sem comentários nesse texto.

trackbacks

There is 1 blog linking to this post
  1. Rock em Geral | Marcos Bragatto » Blog Archive » Bem arranjado

Deixe o seu comentário

Seu email não será divulgado