Bola é Bola Mesmo

O não gol da classificação

Com Lionel Messi marcado e pouco inspirado, cabe a Mascherano, aos pés de Robben, a tarefa de eliminar a Holanda. Foto: Divulgação FIFA.

mascheranoholandaMessi também se emociona. Mesmo depois de tantas temporadas sendo eleito o melhor jogador do mundo o argentino sempre apresentava aquele semblante incólume, uma expressão de paisagem, de conteúdo que hoje parece definitivamente aposentada. Ontem, na sempre traumática disputa de pênaltis, contra a Holanda, Messi fez expressão de choro com as sobrancelhas, viu a Copa por um fio, sentiu lágrimas escorrerem, vibrou, sorriu, cantou com a torcida. Messi é mortal, de carne e osso.

Já disse que, em tese, essa é para ser a Copa de Messi (veja aqui), que fracassou com a Argentina nas duas anteriores e que, por causa disso, se mostrou muito mais um jogador de clube do que um craque de seleção. Nessa Copa, contudo, Messi decidiu em favor da Argentina em vários jogos – Irã, Suíça e Bósnia – e, falando pelos cotovelos, está soltinho. Eis aí mais uma conquista dessa surpreendente Copa do Mundo no Brasil: o desabrochar, em Copas, de Lionel Messi.

Falo de Messi porque, se a Argentina quiser ser campeã, vai precisar da ajuda dele. Ontem, contudo o baixinho não decidiu e, talvez por isso mesmo, a coisa foi parar nas cobranças de pênaltis. O nome do jogo foi Mascherano, o volante outrora chegado numa bordoada e que hoje se revela um dos melhores passadores da Copa, além de comandar a equipe argentina dentro de campo, embora seja Messi o midiático capitão.

Em uma partida, Mascherano teria proibido Messi de marcar, na defesa. “Sai daqui, vai lá pra frente resolver o jogo que aqui é com a gente”, teria dito o jogador ao craque, numa frase que já entrou para a história. Mas, ontem, em uma partida sem rede balançando e com pouquíssimas chances de gol de parte a parte, para mim ficou marcado justamente um não gol.

Quando o veloz Robben entra quase na pequena área e vai marcar, Mascherano, que parecia atrasado no lance, se estica todo e faz um desarme espetacular, desviando a bola que já havia saído do pé do holandês até que ela escorra mansa pela linha de fundo. A jogada nasce dos pés do bravo Kuyt, que inicia uma triangulação com direito a um toque matreiro de Sneijder, de calcanhar, para deixar Robben na cara do gol.

O lance acontece aos 44 do segundo tempo, quando parecia que as duas equipes já aguardavam o fim do tempo normal para resolver a vida na prorrogação. O Mascherano de ontem teria chegaria atrasado e seguramente cometeria o pênalti, chutando tudo para as tribunas. O de hoje destrói o sonho holandês com cirúrgica precisão. E o lance foi crucial para a classificação da Argentina à finalíssima. E desencadeou o choro do pequeno Luka.

Mas como foi parar tudo nos pênaltis, quem veste o colete amarelo de herói é o goleiro Romero, que catou as cobranças de Sneijder, coroando sua discreta atuação no jogo e em toda a Copa, e de Vlaar, numa das grandes injustiças. O zagueirão jogou muito e foi um dos responsáveis por segurar Messi e todo o ataque argentino. Ele, que bem poderia ser o craque do jogo, foi o primeiro a bater, desencadeando o abatimento nos holandeses. Assim é o futebol.

Esperava-se mais da Holanda, e também, de Van Persie, que jamais conseguiu marcar em partidas decisivas de Copa do Mundo. O estrelado Huntelaar o substituiu, mas nada deu certo dessa vez; fracassaram ambos. As artimanhas do técnico Louis Van Gaal tampouco funcionaram. Ele, contudo, é o grande responsável por levar a Holanda a essa surpreendente uma campanha, sem derrotas até aqui, nessa incrível Copa do Mundo no Brasil.

Lembrem-se que, tal qual o Brasil, os holandeses vieram para a Copa com uma equipe de neófitos, com a diferença de ter no grupo meia dúzia de craques cascudos. Olhando por esse ângulo, a campanha do Brasil nem chega a ser tão ruim – é a melhor desde 2002 – e o embate pelo terceiro lugar poderá ser divertido, em que pese o desânimo geral de parte a parte. Mas vocês acham que Felipão não vai querer vencer o azedo Van Gaal e vice-versa? Vai dar jogo, meus amigos. Vai dar jogo.

Até a próxima que agora quem joga em casa é a Argentina!

Resultado de 9/7/2014
Holanda 0 x 0 Argentina (2 x 4 nos pênaltis)

Tags desse texto:

Comentário

Seja o primeiro a comentar!

Deixe o seu comentário

Seu email não será divulgado